Pintura

O Retábulo de Ghent, A obra-prima mais roubada da história

Localizado na Catedral de St. Bavo em Ghent, Bélgica, O Retábulo de Ghent, é uma pintura impressionante e altamente complexa, composta por vários painéis de carvalho. Cada painel é a representação de uma cena.

A maior obra-prima de Jan van Eyck, um exemplo sublime da arte do Renascimento, se tornou a pintura mais roubada da história. Ao longo de quase 600 anos, o retábulo sobreviveu a incêndios, ataques de protestantes furiosos com o culto de imagens religiosas e a 13 crimes, entre os quais os roubos durante as Guerras Napoleónicas e Segunda Guerra MundialOs nazistas esconderam os painéis desmontados, juntamente com outras sete mil obras, numa mina de sal.

Embora o Retábulo de Ghent seja considerado de autoria de Jan van Eyck , a pintura foi, na verdade, uma colaboração entre Jan e seu irmão mais velho, Hubert. Sabemos disso porque um poema em latim inscrito na base do retábulo foi descoberto em 1823.

Retratos gravados de Jan van Eyck e irmão Hubert van Eyck, 1600, via Museum Plantin-Moretus, Antuérpia. Via The Collector.

O Retábulo fechado

Devido à sua escala e complexidade (350 x 470 cm quando aberto), o Retábulo de Ghent levou seis anos para ser concluído. Encomendado em meados da década de 1420, não foi concluído até 1432. Está entre os maiores polípticos já feitos e consiste em dezoito painéis que retratam retratos de doadores realistas ao lado de figuras e cenas bíblicas. 

Naquela época sempre se solicitava a inclusão do retrato do doador, em agradecimento ao indivíduo virtuoso que doou a pintura e que provavelmente pagou por partes do próprio edifício da igreja. Nesta obra, na parte de baixo do retábulo fechado está a pintura de Joos Vijd e sua esposa Elizabeth Borluut, os doadores.

Entre os retratos dos doadores estão duas estátuas pintadas: João Batista (à esquerda) e João Evangelista (à direita). Sobre esta cena está a anunciação de Maria, os céus e seus personagens.

O Retábulo Aberto

retábulo de Ghent aberto é a sua grande performance. Todos os painéis inferiores criam uma paisagem contínua, onde multidões de pessoas viajam de todas as áreas da terra para testemunhar o Cordeiro de Deus sobre o altar.  Em contraste, o registro superior tem menos retratos, todos são significativamente maiores.

retábulo foi feito para ser colocado sobre o altar e ser aberto ritualmente na missa para a consagração pública da Eucaristia pelo sacerdote.

As laterais são compostas por Adão e Eva. Aqui, Jan van Eyck, traz os primeiros retratos nus em grande escala no norte da Europa. Depois os adoradores e os personagens celestiais principais.

Desde 2012, o Retábulo de Ghent está sendo restaurado pelo Instituto Real do Patrimônio Cultural da Bélgica.   Com seu simbolismo refinado combinado com seu naturalismo incomparável, o Retábulo de Ghent é verdadeiramente um testamento para a arte da pintura

Fontes de pesquisa: Royal Institute for Cultural Heritage, Inventaris Onroerend Erfgoed.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo