Guerra

A guerra e a trégua de Natal – Imagine apertar a mão do inimigo!

A história da Trégua de Natal de 1914 é um quadro mágico, maravilhoso, com uma qualidade quase mística. Durante dois dias os soldados de ambos os lados abordaram uns aos outros “num espírito de boa vontade temporária e estritamente limitada”.

Foram trocados brindes como “botões, lanternas elétricas, cigarros e charutos”. Assim narrou o diário de guerra do Padre Dowling, capelão católico do Exército britânico, ele mesmo recebeu charutos de presente de um soldado alemão da cidade de Leipzig.

O espírito natalino em tempos de guerra

Esse espírito não surgiu por acaso no meio da guerra. No início de dezembro, por exemplo, o Papa Bento XV já havia proposto uma trégua de 12 horas no dia de Natal. Havia indícios de que os alemães aceitariam a ideia, mas os governos aliados não estavam interessados ​​em agradar aqueles que viam como invasores e a sugestão deu em nada.

No entanto, cada soldado britânico recebeu da princesa Mary, filha do rei George V, uma caixa de metal contendo um cartão e cigarros, tabaco para cachimbo ou chocolate. A caixa em relevo mostrava um retrato da princesa e os nomes dos principais aliados da Grã-Bretanha – França, Bélgica, Japão, Rússia, Montenegro e Sérvia (Sérvia).

As tropas alemãs também receberam presentes e árvores de Natal. De acordo com um historiador Martin Gilbert, a confraternização ocorreu em quase todos os lugares ao longo das linhas britânicas, em locais nas linhas francesa e belga, e quase sempre foi iniciada pelos alemães.

Os comandantes de ambos os lados garantiram que qualquer confraternização cessasse e que nada parecido jamais acontecesse novamente. Não havia perspectiva realista de paz para o Ano Novo. Em pouco tempo, a maioria havia retornado às suas trincheiras, de volta ao combate em uma guerra que acabaria por se arrastar por quase mais quatro anos.

A Trégua de Natal foi um evento real – ou vários eventos reais – embora nunca saberemos todos os detalhes e extensão dele.

– Imagine apertar a mão do inimigo!

O caráter informal das tréguas de Natal se reflete nos relatos dos próprios soldados, que variam consideravelmente dependendo de onde eles se situavam na frente. Mas onde ocorreram, suas cartas sugerem que muitos deles não podiam acreditar no que estava acontecendo. Em um minuto, eles estavam se matando; no próximo, eles estavam cantando “Noite Silenciosa”, rindo e trocando bifes por charutos.

“Houve uma trégua para enterrar nossos mortos”, escreveu o primeiro tenente Ben Calder “Fizemos um breve culto sobre os túmulos, dirigido pelo nosso ministro e pelo alemão. Eles leram o Salmo 23 e fizeram uma breve oração. Acho que nunca vou esquecer o dia de Natal que passei nas trincheiras. Depois do culto, conversamos com os alemães e compramos lembranças deles. Imagine apertar a mão do inimigo! Suponho que você dificilmente acreditará nisso, mas é a verdade. ”

Um soldado, identificado apenas como “Fred”, lembrou-se de uma troca de cartas. “Tivemos uma experiência engraçada esta manhã”, escreveu eles sobre aquele inusitado dia. “Os disparos tornaram-se fracos e tínhamos ordem de não disparar a menos que os alemães disparassem. Logo depois, um dos alemães saiu de sua trincheira e nos chamou para irmos no meio do caminho (nossas trincheiras e as deles estão a cerca de 150 metros de distância em alguns lugares). 

Cerca de uma dúzia de nós avançou e logo todos os nossos camaradas estavam fora das trincheiras apertando a mão dos alemães e trocando cigarros. Um me deu alguns charutos e biscoitos e, como eu não tinha mais nada em mãos, dei a ele o cartão de Natal de Fred e Gert como lembrança. Você pode dizer a Fred e Gert quando os vir que o cartão deles viajará mais longe do que eles esperavam. ”

Talvez as interações mais notáveis ​​resultantes dessas tréguas tenham sido os jogos de futebol e as festas. Clark aponta para uma partida realizada entre os fuzileiros de Lancashire e um regimento saxão por volta do Natal de 1914 (os alemães, como sempre foi relatado, venceram por 3-2). Outro, entre os Cheshires e outro regimento alemão, foi notável pelo banquete que desfrutaram juntos depois: compartilharam um porco assado.

Soldados britânicos e alemães confraternizando em Ploegsteert, Bélgica, no dia de Natal de 1914, na frente da 11ª Brigada, 4ª Divisão.
Postal alemão, a legenda diz 
“Weihnachten in Feindesland” (Natal no Território Inimigo).
Ilustração sobre o armistício de Natal
As árvores presenteadas numa imagem colorizada
Tropas britânicas e alemãs reunidas em No Man’s Land durante a trégua do Natal. (Tropas dos Hussardos de Northumberland, 7ª Divisão, Setor Bridoux-Rouge Banc)
Diário do Tenente Charles Bertram Brockbank, do Regimento de Cheshire. Ele detalha uma partida de futebol durante a ‘Trégua de Natal de 1914’, um dia de calmaria na Primeira Guerra Mundial.

Fontes de pesquisa: Imperial War Museums, The Irish Times, Militare Trader, Daily Mail, The Great War, Agência Reuters.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo