Guerra

Arte roubada

Durante a marcha nazista em toda a Europa, milhares de obras de arte e antiguidades de valor inestimável foram sistematicamente saqueadas. A pilhagem também era amplamente praticada pelos aliados. O roubo de objetos valiosos foi uma prática mais comum do que se possa imaginar e respondia pelo elegante nome de “Espólios de guerra”.

As obras de arte são tratadas muitas vezes como patrimônio histórico nacional e roubá-las equivaleria a agredir a soberania de um país ou de uma etnia, como os milhares de artefatos roubados dos judeus pelos nazistas.

Enquanto os nazistas estavam no poder, eles saquearam os bens culturais de cada território que ocupavam, a partir de organizações especificamente criadas para determinar quais coleções públicas e privadas seriam as mais valiosas para o regime. Alguns dos objetos foram destinados ao Führermuseum, o colosso de museus que Hitler sonhava criar, enquanto outros objetos foram negociados para financiar atividades do III Reich.

A boa notícia é que existem grupos preocupados em repatriar os espólios. Milhares de objetos de arte que foram vendidos, roubados ou confiscados durante a Segunda Guerra, por exemplo, voltaram aos seus legítimos donos. A França foi capaz de recuperar mais de 100 mil obras de arte – 60.000 imediatamente após a guerra, e 40.000 nas próximas décadas – e devolvê-los aos seus legítimos proprietários.

Hoje existem empresas e ONGs especializadas em investigações sobre os espólios de guerra. No site Lootedart, por exemplo, é possível obter informações sobre os saques e esforços contemporâneos para pesquisar e resolver questões concernentes.

 


Referências de pesquisa: Revista TIME, Matéria: Spoils of War. Nazi Looted Art, Restituição de arte roubada pelos nazistas. Swiss Info , Swiss missing comprehensive laws on looted art. assetsearchblog.com.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo